Publicidade

domingo, 14 de março de 2010

DICAS PARA UM CURRICULUM VITAE IMPECÁVEL (parte 2)



Adriana Mendonça é Analista de Desenvolvimento da PUCRS no TECNOPUC e Coach para busca de trabalho e mudanças profissionais do programa JobHunters - adriana.jobhunters@gmail.com

Selecionadores e entrevistadores são seres humanos. E, nessa condição, todos nós pensamos algo a respeito do candidato ao ler seu CV. O CV é a primeira impressão que se tem, antes da oportunidade para o candidato se apresentar no encontro pessoal. Então seria bom se o leitor só tivesse boas impressões a respeito de você, candidato, não seria? Então vejamos como podemos minimizar as más impressões e aumentar as boas, sabendo de antemão que não temos o poder de definir o que cada um vai pensar, mas podemos evitar os erros mas básicos.

O que você não deve mencionar:
Seu endereço não precisa ser informado neste momento, nem sua situação familiar, nem sua idade, nem sua nacionalidade, muito menos cidade de nascimento, número de filhos etc. Todas essas informações só servem para dar margens para alguém o discriminar por qualquer ideia que a pessoa tenha a respeito do assunto. Por exemplo:
--- Mora muito longe, vai chegar atrasado...
--- Mora aí ao lado, bairro ruim...
--- Muito novo, inexperiente.
--- Muito velho, ultrapassado.
--- Divorciado e 5 filhos? Será que é tudo da mesma mulher?
--- Chileno, iiih... fugindo do terremoto?
--- Russo, o que será que está fazendo aqui? Vai ver que casou com brasileira...
A lista de comentários preconceituosos e politicamente incorretos pode ser infinita e você pode ter se lembrado de outros tantos ao ler esses exemplos. Nada disso te ajuda a conseguir a entrevista, ao contrário, ajuda o selecionador inexperiente a jogar seu CV no lixo antes que o diretor da empresa, o dono da vaga, possa ouvir sobre sua experiência na área em que ele precisa.

Na mesma linha, fotos nunca. Você pode ser bonito o quanto for, sua foto 3x4 pode ter saído ótima, sempre haverá um selecionador que vai olhar sua foto e tecer comentários, seja para si mesmo ou para os colegas:
--- Olha o cabelo dele.
--- Olha o batom dela.
--- Esta está se achando com esta foto!
--- Este deveria ter colocado foto melhor.
--- Não gosto de bigode.
--- Esta aqui me lembra minha prima, aquela falsa que dava em cima do meu namorado!
A foto pode ser mais um motivo de exclusão. Mas quando pedirem sua foto para realizarem sua admissão, aí sim, é hora de entregar a foto e todas as informações que forem solicitadas.

Nos Estados Unidos há anos não se pode perguntar nada disso nas entrevistas, porque entende-se que essas informações não têm nada a ver com sua capacidade intelectual e produtiva. A rigor, você não precisaria responder quando um entrevistador lhe perguntar sobre esposa, filhos, seus pais, de onde você vem etc. A resposta seria "desculpe, esta informação é particular". Mas sabemos que algum entrevistador pode não entender e não aceitar essa resposta, então oriento que você responda o mínimo, sem se explicar ou se estender.
Exemplo:
--- Seu sotaque é nordestino, você é Baiano?
--- Sergipano.
--- Divorciado com cinco filhos? São todos da mesma mulher?
--- Não, não são.
--- E você acredita que sua remuneração será suficiente para pagar essas pensões todas?
--- Sim, sem problemas.
Seja simpático, mas não alimente as atitudes inadequadas de entrevistadores.

Mas se você for deficiente ou puder ser enquadrado como tal por deficiência auditiva, visual, motora etc (consulte um médico do trabalho), coloque lá em cima, junto com seu nome, fones e emails: DEFICIENTE e especifique qual tipo de deficiência com quais necessidades especiais: acesso, computador, mesa, cadeira etc. A grande maioria das empresas paga multas por não cumprirem a lei de cotas de deficientes em seu quadro de empregados, o que faz dos profissionais deficientes disputadíssimas "moscas brancas".

Continua...

Um comentário: